HISTÓRIA DA RCC

FUNDAÇÃO E TRAJETÓRIA

A trajetória da Rede Catarinense de Comunicação teve início em 06 de abril de 1989, quando o jornalista Orval Molina, incentivado por seu pai, Salustiano Molina lançou o Jornal O Povo na cidade de Correia Pinto – Serra Catarinense. Era um tablóide quinzenal, com doze páginas, produzido quase artesanalmente. Em seis meses, o reconhecimento da seriedade do trabalho e do comprometimento com a comunidade permitiu que o periódico se tornasse semanal, superando diversos obstáculos e pondo o Jornal O Povo no caminho certo para ser um dos notórios veículos de comunicação da região. Mais tarde, sentindo a necessidade de crescer com maior velocidade, a Rede Catarinense de Comunicação desceu a Serra, instalando-se na região de Balneário Camboriú, expandindo o seu trabalho por diversas áreas da comunicação, onde o caráter comunitário e a luta em defesa do desenvolvimento regional são marcas registradas da empresa até hoje.

A RCC Está frente a um meio de aproximar e integrar as pessoas, prestar serviços de informação precisa para o estado catarinense, difundir a cultura, registrar os fatos, estimular a solidariedade entre os homens e ampliar o conhecimento humano. Mais do que uma questão de estilo, a modernidade importa em um processo contínuo de renovação das formas de pensar e de agir, intensificadas com os anseios e as aspirações da sociedade, com o respeito indispensável pelas opiniões sobre os fatos e as idéias.

O POVO – Um jornal a serviço de Santa Catarina

O Povo é um jornal preocupado não só com a informação, mas também com a formação de opiniões inteligentes, para isso é descompromissado com partidos políticos ou correntes de pensamento. Em cores desde a sua primeira edição, publicou no ano de 2000 o primeiro caderno full color, ousadia para a época e evolução que veio impulsionar a modernização dos jornais catarinenses concorrentes.

Agora com este novo projeto, lança o portal de notícias, consolidando a convergência entre as mídias. A plataforma digital permitirá mais praticidade e acessibilidade dos conteúdos para os nossos leitores. Fiel aos compromissos que lhe deram origem, ao tempo da sua fundação, O POVO aos 30 anos de existência, tem o espírito voltado para a inovação e a modernidade, associando a história, o passado e o presente como condição e antecipação do futuro.

IMPARCIALIDADE, LIBERDADE E LEALDADE

Elemento fundamental ao exercício da imprensa, a liberdade representa a garantia do direito e do dever de informar, comentar, criticar e denunciar. Todo cidadão tem direito a um tratamento leal e imparcial, independentemente da posição do jornal O POVO em relação a ele.

DEMOCRACIA

O próprio nome do O POVO define a opção democrática que sempre foi e sempre deve ser, a defesa das causas populares, inspiração de todas as formas democráticas de organização e fonte de permanente legitimidade do Poder institucionalizado.

ÉTICA

Em toda função jornalística a preocupação ética há de ser dominante. Ela é o centro aglutinador dos demais conceitos afins – Justiça, Imparcialidade e Lealdade. O Povo faz um jornalismo emoldurado sempre pela isenção e pela responsabilidade ética e social.